TCU determina que procuradores da Lava Jato devolvam diárias milionárias

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que procuradores que atuaram na Operação Lava Jato devolvam os recursos de diárias e viagens que receberam quando trabalhavam na força-tarefa que investigou desvios na Petrobras.

Com Brasil 247

A determinação do ministro do TCU para que devolvam o dinheiro de diárias e viagens recebidos por eles faz parte de um jogo político antilavajatista, disse Carlos Fernando dos Santos Lima nesta quarta-feira, 10. O, ex-integrante da Lava Jato em Curitiba (PR) e considerado como um dos mentores do grupo, criticou a determinação do ministro Bruno Dantas, do TCU (Tribunal de Contas da União), de que procuradores da força-tarefa devolvam milhões de reais em diárias pagas durante a operação.

Em entrevista para um site nacional, ele diz que desconhece o teor da decisão e ainda não foi intimado, mas acredita que ela cairá no plenário do TCU ou na Justiça. “Chamam procuradores para trabalhar de fora da sua lotação em outro Estado e não querem pagar? Não entendo. Eu me pergunto quantas diárias o ministro Bruno Dantas não ganha”, questionou o ex-procurador.

Para Santos Lima, a determinação do ministro do TCU faz parte de um jogo político antilavajatista. “No caso Banestado também ganhei diárias, entrei na Justiça porque pagaram menos e ganhei no STJ [Superior Tribunal de Justiça]. Então, já é reconhecido o direito dos procuradores de ganhar diária”, acrescentou. Segundo dados do MP-TCU, Santos Lima recebeu R$ 361 mil em diárias e gastou R$ 88 mil em passagens de 2014 a 2018, enquanto trabalhou na operação.

Integram a lista de procuradores citados no despacho:

– Antonio Carlos Welter (R$ 506 mil em diárias e R$ 186 mil em passagens);
– Carlos Fernando dos Santos Lima (R$ 361 mil em diárias e R$ 88 mil em passagens);
– Diogo Castor de Mattos (R$ 387 mil em diárias);
– Januário Paludo (R$ 391 mil em diárias e R$ 87 mil em passagens); e
– Orlando Martello Junior (R$ 461 mil em diárias e R$ 90 mil em passagens).

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também será citado para devolver os recursos solidariamente.

Um dos líderes consórcio, Deltan Dallagnol — que anunciou que irá deixar o MP para militar oficialmente na política — também será citado para devolver o dinheiro gasto com diárias e passagens.Tanto Janot como Dallagnol podem ter seus planos políticos frustrados já que se condenados ficarão inelegíveis.

Charge do Aroeira

Com informações do ConJur

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: