Guedes cancela participação em evento após debandada no Ministério da Economia e assunto “bomba” nas redes

Com o desmoronamento da equipe econômica, Jair Bolsonaro adiou a tradicional live de quinta-feira que começaria às 19h, ele ainda voltou a falar que o Auxílio Brasil, cujo valor será de R$ 400, não vai furar o teto de gastos. Apesar de sua negação, interlocutores afirmam que Guedes teria sim pedido “licença” para furar o teto de gastos.

Com Revista Fórum

Após a notícia de que 4 de seus principais secretários pediram demissão, o ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelou sua participação em um evento com empresários da construção civil, que estava marcado para às 19h na sede de sua pasta em Brasília.

O cancelamento foi descrito logo após a notícia da debandada dos secretários vir à tona na agenda oficial de Guedes disponível no site do Ministério da Economia. O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, adiou a tradicional live de quinta-feira que começaria às 19h. A precisão é que a transmissão seja realizada às 20h30.

Nesta quinta-feira (21), o Ministério da Economia sofreu uma debandada com pedidos de demissão de 4 secretários: Bruno Funchal, secretário especial de Tesouro e Orçamento; Gildenora Batista Dantas Milhomem, secretária especial adjunta de Tesouro e Orçamento; Jeferson Bittencourt, secretário do Tesouro Nacional; e Rafael Araújo, secretário-adjunto do Tesouro Nacional.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, adiou a tradicional live de quinta-feira que começaria às 19h. A precisão é que a transmissão seja realizada às 20h30. Em nota, o Ministério informou que os secretários alegaram “razões pessoais” para os pedidos de demissão. Os substitutos ainda não foram anunciados.

Apesar do motivo real da debandada não ter sido explicitado pela pasta, nos bastidores especula-se que as demissões estejam ligadas à discordância dos secretários com as intenções de Guedes e Jair Bolsonaro de furar o teto de gastos para bancar o Auxílio Brasil, programa do governo que visa substituir o Bolsa Família e que, claramente, tem por objetivo real alavancar a candidatura de Bolsonaro à reeleição no próximo ano.

“O que nós decidimos? Passar todos para no mínimo 400 reais. Isso tudo com responsabilidade. Ninguém está furando o teto (de gastos)”, declarou o presidente durante evento em São João de Piranhas (PB), para inaugurar trecho da transposição do Rio de São Francisco onde também prometeu um auxílio para caminhoneiros, este também não foi dito de  onde sairão os recursos.

Esta é a segunda declaração do presidente sobre o teto de gastos em menos de 24h. Isso se deu pelo fato de que, nesta quarta-feira (20), Paulo Guedes declarou que terá de “pedir licença” para gastar R$ 30 bilhões fora do teto de gastos, regra que limita os gastos ligados à inflação.

“Seria uma antecipação da revisão do teto de gastos que está (prevista) para 2026 ou se, ao contrário, mantém o teto, mas por outro lado pede um ‘waiver’, pede uma licença para gastar essa camada temporária de proteção”, disse Guedes durante evento com o setor da construção civil. A declaração de Paulo Guedes fez com que o dólar fosse comercializado em R$ 5,67 e que a Ibovespa operasse em queda de mais de 2% nesta quinta – feira. Estes dois indicadores teriam levado o presidente Bolsonaro voltar a defender o teto de gastos para “acalmar” o mercado financeiro.

Pelo Twitter o assunto está dominando as postagens:

Charge da capa – Estadão

Com Informações da Revista Fórum

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: