Cármen Lúcia confronta Bolsonaro e diz que “sociedade não pode viver com essa audição permanente de xingamentos”

A ministra do STF Cármen Lúcia também criticou “afrontas, desatendimento à harmonia que é exigência constitucional”. A declaração, à jornalista Miriam Leitão, foi um recado às ameaças de golpe feitas por Jair Bolsonaro, que agora conta com a defesa pública do general Augusto Heleno pelo eventual uso das Forças Armadas para uma ruptura institucional

247 – A ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia criticou as ameaças de Jair Bolsonaro à democracia e destacou que “a sociedade não pode viver com essa audição permanente de xingamentos, de afrontas, de desatendimento à harmonia que é exigência constitucional”. Em entrevista à jornalista Miriam Leitão, a juíza disse que as Forças Armadas não são um “poder moderador”, como Bolsonaro tem dito. “Não existe quarto poder”, acrescentou.

A avaliação da magistrada vem em contexto de ameaça de golpe feita pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, o general Augusto Heleno. O militar disse que, se existe o artigo 142 “no texto constitucional, é sinal de que pode ser usado”.

As ameaças de Bolsonaro à democracia estão sendo feitas tendo como ponto de partida as urnas eletrônicas. Ele tem criticado a segurança do sistema eleitoral brasileiro, com o intuito justificar uma possível derrota em 2022 e dar um golpe no país.

Uma dos objetivos de Bolsonaro seria o uso das Forças Armadas. No último dia 10, tanques desfilaram na Esplanada dos Ministérios, uma ocasião em ele demonstraria ter apoio dos militares, mas o evento foi um fiasco. De acordo com levantamento da Quaest Pesquisa, 93% das postagens nas redes sociais foram negativas.

A instituição militar também resolveu cancelar o desfile que aconteceria no próximo 7 de setembro, dia em que foi declarada a independência do Brasil, em 1822. Ao colocar em dúvida a confiabilidade das urnas, Bolsonaro tem aproveitado para ofender ministros do STF.

No dia 6 deste mês, Bolsonaro chamou Luís Roberto Barroso de “filho da puta” e, no dia 9 de julho, disse que o ministro é “imbecil” e “idiota”.

No dia 5 de agosto, Bolsonaro ameaçou Moraes ao dizer que “a hora dele vai chegar“. O motivo foi a decisão do ministro pela inclusão de Bolsonaro no inquérito fake news por causa dos ataques sem provas à confiabilidade das urnas eletrônicas.

Bolsonaro estaria pretendendo entregar ao Senado pedidos de impeachment dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s