Juventude do MST denuncia mineradora responsável por um dos maiores crimes ambientais urbanos

Ação contra a Brasken, foi realizada em Maceió, Alagoas, como parte da 12ª Jornada da Juventude Sem Terra

Por Nayá Tawane

Jovens dos acampamentos e assentamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), realizaram na manhã deste sábado (14) um escracho em frente à sede da Braskem, em Maceió (AL). A mineradora é responsável pelo que é considerado o maior crime ambiental em área urbana no país.

“Estamos aqui para falar que esse projeto de mineração não serve ao povo de Maceió, só serve para alguns ricos. A juventude do MST continuará denunciando que a mineração destrói, que a mineração afunda. Só com a resistência e a luta popular é que conseguiremos derrotar esse projeto ”, disse Lucas Neto, do coletivo da Juventude do MST, durante o ato.

A ação denunciou o crime da Braskem na capital alagoana que, com o desgaste da exploração de sal-gema, substância utilizada para a fabricação de soda cáustica e PVC, ameaça a vida de cerca de 40 mil pessoas em quatro bairros em Maceió, com afundamento de solo e tremores de terra.

Os jovens também distribuíram mudas de árvores frutíferas para a população que passava em frente à sede da mineradora, convocando a sociedade para denunciar os ataques da mineração em Alagoas.

Ação da juventude do MST em frente à sede da mineradora Braskem em Maceió, Alagoas / MST Alagoas

“A Juventude Sem Terra está mostrando que está organizando e seguirá lutando, denunciando essa empresa assassina. A juventude está gritando que quer viver”, complementou Neto.

A ação de denúncia faz parte da 12ª Jornada da Juventude Sem Terra, que ocorre em todas as regiões do país sob o lema “A Juventude quer viver, derrubar o presidente e ver o povo no poder!”.

Solidariedade como resistência

Este foi o segundo dia de ações do MST em solidariedade às famílias atingidas pela mineração em Maceió. Nesta sexta-feira (13), o MST doou 20 toneladas de comida para as comunidades atingidas. Os alimentos, como macaxeira, batata doce, abóbora, feijão, milho, laranja e banana, são das áreas de acampamentos e assentamentos da Reforma Agrária no estado.

Ao todo, 20 toneladas de comida produzida no campo alagoano pelos camponeses e camponesas Sem Terra chegaram para as famílias que sofrem com a remoção de suas casas / MST Alagoas

Jislaine Maciel, também do Coletivo de Juventude do MST, reforçou a relação direta da luta pela Reforma Agrária com a luta daqueles e daquelas que foram atingidos pela mineração na capital alagoana.

“No campo, os agricultores e agricultoras combatem diariamente o avanço do agronegócio e sua utilização de veneno que destrói territórios completos. E assim como o agronegócio, a mineração também segue causando destruição por onde passa”, disse a jovem militante.

Muitas das famílias que moravam nos bairros afetados pela ação da mineradora tiveram que abandonar as suas casas antes de que fosse iniciado o processo de realocação, por causa dos riscos de desabamento ou porque as casas simplesmente ruíram.

Via Brasil de Fato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s