Não vi ameaça mais concreta à democracia do que a “lava jato”, diz Gilmar Mendes

“Não vi ameaças mais concretas à democracia no país senão a partir de iniciativas de grupamentos corporativos de procurador, juiz, órgãos da Receita e Polícia Federal. Esse conúbio colocou em risco aquilo que entendemos como Estado de Direito e devido processo legal”, afirmou o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal

Com ConJur

Foi no lançamento da 15 edição do Anuário da Justiça que aconteceu nesta terça-feira na internet com participação do presidente do STF, Luiz Fux; da presidente do Conselho de Curadores da Faap, Celita Procópio; do STJ, Humberto Martins entre outras personalidades do meio jurídico.

o ministro voltou a fazer críticas à “lava jato” e às “dez medidas contra a corrupção”, proposta legislativa de iniciativa de membros do Ministério Público que tramitou no Congresso Nacional. Gilmar Mendes, com uma visão privilegiada da democracia brasileira, depois de ter passado pela Casa Civil e pela Advocacia-Geral da União antes de chegar ao STF, lembrou de propostas “fortemente autoritárias” apresentadas pelos procuradores ao Parlamento: permissão para o uso de provas ilícitas e restrição brutal à concessão de Habeas Corpus.

“Só na ditadura o HC sofreu limitação, ainda assim no AI-5. As dez medidas desenhavam um modelo autoritário, estávamos muito próximos de ser submetidos à ditadura de Curitiba”, disse. É preciso estarmos atentos aos salvadores da pátria — venham eles do Legislativo, Executivo ou Judiciário — recomendou o ministro, e acrescentou que esse é o legado que fica da fase crítica da “lava jato”.

Gilmar Mendes também falou sobre o uso das delações premiadas pelos procuradores de Curitiba. “A nossa luta contra a ditadura foi pelo devido processo legal, pelo Estado de Direito, pelo fim da tortura. Com as delações premiadas, você introduz um elemento de tortura para obter a delação”, disse. “Descemos muito na escala das degradações.”

A democracia enfrenta muitos desafios atualmente, não apenas a brasileira, afirma o ministros ao lembrar da invasão ao Capitólio, nos Estados Unidos, fato que considerou “chocante”. Para o ministro, fatos como esse, mostram como grupos, “pretensamente democráticos”. O caso aconteceu em janeiro de 2020.

O ministro falou sobre as dificuldades do modelo de representatividade, das suas insuficiências e do fato de não conseguir alimentar o sonho de todos. Ressaltou que a democracia é um regime complexo e que se pauta por regras escritas e outras não escritas. “Há uma série de regras não escritas, que devemos respeitar. Não podemos atacar as pessoas, temos de ter uma atitude de tolerância, não podemos eliminar o adversário, o adversário não é inimigo. Precisamos trazer a democracia para civilizar a internet”, disse.

O advogado e ex-presidente da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, que também participou do evento, destacou a influência da rede mundial de computadores e das redes sociais na democracia. Citando o livro Os Engenheiros do Caos, ele afirma que o discurso de negacionismo, de aversão à cultura e totalitarismo não é aleatório e se repete em vários lugares do mundo “para atrair acessos na internet e vincular as pessoas a determinados pensamentos”.

Segundo ele, os partidos políticos também têm uma participação importante para a construção da democracia. “Os partidos precisam ter responsabilidades de lançar nomes que sejam comprometidos com a democracia. O livro cita diversos momentos da história do mundo que eventuais pessoas de direita chegaram a votar em candidatos de esquerda para impedir que alguém da extrema direita fosse eleito, para defender a democracia.

Para Marcus Vinicius, é fundamental que o primeiro compromisso seja com a democracia e com o estado de direito. “Dentro do sistema de Justiça, o discurso autoritário vem na pregação do discurso de ódio contra parte adversa. Na democracia não devemos pregar ‘o aniquilar do adversário’, ou seja, o adversário necessita existir. Temos que ter amor ao debate. As ideias devem brigar, as pessoas jamais”, ressaltou.

Com informações do ConJur

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s