Mário Frias, secretário de Cultura de Bolsonaro, anda armado, ameaça e grita com funcionários

A gritaria, dizem funcionários, pode ser ouvida de longe. No Planalto e no resto da Esplanada, há quem se refira à Secretaria Especial da Cultura como hospício, ou ele é louco como a maioria dos bolsonaristas ou incorporou algum personagem de filme de ação, alguém precisa avisa-lo que estamos no mundo real.

Com Revista Fórum

De acordo com informação publicada inicialmente pela Folha de S.Paulo e confirmada por Splash, do UOL, o secretário especial da Cultura Mario Frias anda e despacha armado no ambiente de trabalho, deixando a arma visível na cintura, o que provoca mal-estar entre os funcionários do órgão.

A coisa não fica por isso. O clima pelos corredores da secretaria, de acordo com fontes entrevistadas pelo Splash, é de tensão frequente, com relatos de escândalos e ofensas aos gritos dirigidos a servidores e terceirizados.

A gritaria, dizem funcionários, pode ser ouvida de longe. No Planalto e no resto da Esplanada, há quem se refira à Secretaria Especial da Cultura como hospício.

De acordo com o site da Polícia Federal, Frias tem uma pistola Taurus de calibre .9mm registrada em seu nome. Sendo civil, ele precisa ter um documento de porte, que autoriza o cidadão a circular com uma arma de fogo “de forma discreta”, de acordo com o site do governo federal.

Em setembro de 2020, foi publicada pelo perfil do Clube de Tiro Brasília uma foto onde Mario Frias aparece segurando um fuzil. A imagem foi postada no Instagram do Clube e apagada após contato da coluna de Mônica Bergamo.

Ao lado de Helton Rego, que se identifica como instrutor de tiro, Frias aparece com a legenda: “’Povo armado jamais será escravizado!’ Neste sábado tive a honra de dividir um pouco de conhecimento com o nosso secretário de Cultura. Obrigado pela confiança, amigo!”.

Screenshot_6

Veja abaixo texto escrito por Mário Frias para solicitar o porte de armas sem correções de português:

“Considerando minha condição de Secretário Especial da Cultura, especialmente em um momento político com políticos ataques, ameaças e manifestações violentas contra autoridades que compõem a administração pública federal e, tendo em vista que, na condição de secretário Especial da Cultura, participo de eventos e reuniões em todo Brasil, muitas vezes em meio a protestos e manifestações violentos, faz-se extremamente necessário o porte de arma, ainda mais que frequentemente sou abordado por diversas pessoas para tratativas de vários assuntos, alguns sensíveis e complexos e, às vezes algumas dessas pessoas se constituem de pessoas estranhas a mim e à minha equipe. Tais fatos tem ocorrido desde que fui nomeado para a função e, desde então, tenho sofrido pressões diversas, situações nas quais me vejo em estado de alerta e pelo qual tenho receado pela minha integridade física, dos meus familiares e da minha equipe. Nestes termos, solicito o deferimento do porte de arma ora requerido.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s